(Re)nascer aos 30: Depois de um pé na bunda, Cacau Ribeiro olhou para o retrovisor e viu que o caminho que havia traçado não a levaria ao "arco-íris". Muitos carimbos no passaporte e (re)descobertas depois, ela renasceu. Clique aqui e acompanhe do começo.

O luto e suas fases

13.10.2017

O término de um relacionamento amoroso, uma perna quebrada, um bem material roubado, a transição de uma fase de vida para outra, ser demitido, o falecimento de alguém importante para você etc. Em comum a esses eventos? O luto. A dor da perda. O medo da mudança.

 

Obviamente, as intensidades do luto variam. Seja o grau de importância do que se perde como também as diferentes histórias de vida e vivência de lutos anteriores (o que chamamos na psicologia de repertórios comportamentais). Até mesmo a vivência da mesma perda é encarada diferente a depender do estágio do luto que a pessoa se encontra: negação, raiva, barganha, depressão e aceitação.

 

Da mesma forma, o tempo de cada fase é diferente e, não necessariamente, o indivíduo tem que ter passado por todas as fases para chegar na aceitação que é, de fato, a superação do luto. Não existe um tempo certo, mas estima-se que a superação total leva em torno de 2 anos.

 

Nesse processo, quando a pessoa não consegue superar o luto e aceitar o que a vida trouxe para esse momento, o corpo físico e a saúde mental começam a mostrar sinais de alerta. Por mais que doa viver as fases do luto, encarar a realidade e os sentimentos negativos, permitir-se sentir e expressar sentimentos de derrota ou raiva ou dor é essencial para que de fato chegue-se "a cura". Viver plenamente cada uma destas fases é parte essencial do "renascimento".

 

Durante o luto, procure cerca-se das pessoas que realmente importam-se com você. Além disso, o acompanhamento de um psicólogo pode tornar esta "travessia" mais fácil ou até menos "perigosa" visto que a depressão é parte do pacote. Caberá ao psicólogo apoiar o seu cliente na fase em que ele se encontrar. Ajudando-o a ascender sua "luz interna" e a enxergar a si mesmo. Desta forma, você poderá ver melhor a situação ao superar e aceitar a vida como ela é: com perdas e ganhos.

 

A lagarta precisa passar pelo pesar do casulo antes de tornar-se borboleta. Que possamos juntos entender e superar as fases mais difíceis sem esquecer de agradecer por estarmos vivos.

 

Sobre Lívia Sales

 

Formada em Psicologia pela UFC em 2006.1, com formação em Psicodrama (Instituto de Psicodrama) e Orientação Profissional, Carreira e Preparo para Aposentadoria (Instituto do Ser).

Saiba mais em Vila do Ser . 

Share on Facebook
Please reload

TEXTOS RELACIONADOS

Please reload